+
Casa Botucatu 2018-07-11T14:44:18+00:00

Project Description

Casa Botucatu

Dados Técnicos

Localização: Botucatu, SP – Brasil

Tipo de Construção: Residencial Unifamiliar

Área do terreno: 1086,20 m²

Área construída: 522,22 m²

Início do projeto: 2009

Conclusão da obra: 2014

Equipe

Autores: Fernando Forte, Lourenço Gimenes, Rodrigo Marcondes Ferraz

Coordenadores: Marília Caetano, Sônia Gouveia

Colaboradores: Gabriel Mota, Thyene Schmidt, Bruno Araújo, Flávio Faggion, Heloísa Adam, Juliana Nohara, Monica Harumi

Estagiários: Gabriela Santoro, Mirella Fochi

Fotógrafo: Rafaela Netto

Projeto de Estrutura e Fundações: Edson Bispo Ferreira

Projeto de Instalações Hidráulicas e Elétricas: Projhel

Paisagismo: Caroline Bueno

Projeto Luminotécnico: FGMF com consultoria de Marcos Castilha

Sondagens: ReforSonda

Painel Artístico: Fabio Flaks

Fornecedores: Deca, Tramontin, Lorenzeti, Portobello, Solarium, Vidrotil, Mr. Cryll

A residência, destinada a um jovem casal de cirurgiões, busca investigar as relações entre o interno e externo através de uma série de espaços intermediários. Estes espaços realizam um questionamento sobre onde se iniciam as varandas, área de lazer e espaços tradicionais como sala ou home theater, assim como seus limites.

Os espaços fechados são organizados em diferentes blocos sob uma espaçosa cobertura de concreto aparente que faz referência a arquitetura moderna paulista, sobretudo ao trabalho de Vilanova Artigas. Esses blocos são marcados por revestimentos diferentes para acentuar a setorização, assim como facilitar a apreensão imediata do observador de que são locais com funções diferentes. O espaço avarandado que permeia todos os ambientes possui ora pé direito simples, ora duplo dependendo do local em que o visitante se encontre e da relação entre os diferentes volumes internos. Nesse rico espaço de transição é onde se imagina que boa parte do tempo do morador será gasto em comunhão com o construído e o paisagismo circundante. Passarelas metálicas ligam a residência a taludes de compensação que fazem às vezes de muro, revelando um jardim superior de uso intimo ao mesmo tempo em que formam uma marquise para a entrada social da casa.

O posicionamento da cobertura foi calculado em relação à orientação solar. Assim no verão ela sombreia toda a casa e cria uma generosa varanda ligada à piscina e a área de lazer. Já no inverno, o sol mais baixo passa por debaixo da cobertura e “esquenta” os volumes ocupados da residência.

O projeto parte de um conceito simples; uma cobertura e estrutura “guarda-chuva” que abriga blocos distintos dos setores da casa enquanto um espaço fluido entre o interno e externo é criado. Este conceito bastante simples criou complexidades espaciais e estéticas interessantes durante o desenvolvimento do projeto, acentuando a intenção de criar espaços novos em uma reinvenção das tradicionais varandas brasileiras.

Planta Térreo

Primeiro Pavimento

Diagrama